segunda-feira, 4 de junho de 2018

ANDANÇAS E MUDANÇAS

Por Ana Luíza Chaves

Com o texto é nosso dessa semana queremos chamar a atenção de vocês, para um evento que está se aproximando, a palestra de alguém que sai por aí andando, sempre buscando levar informação e condição, novidades e possibilidades, não importam as cidades, nem as idades.
Estamos falando das andanças do bibliotecário português Nuno Marçal, que a bordo do seu bibliomóvel, provoca mudanças na vida das pessoas, trazendo-lhes alegrias e esperanças.

Aproveitamos a vinda dele ao Brasil e acertamos trazê-lo até o Ceará. Fortaleza o receberá no dia 22 de junho, e você, vai ficar de fora desse encontro? Já marcou ponto fazendo sua inscrição? É uma oportunidade singular.

A capa do Mural mudou, e quem ainda não reparou, agora se tocou.


___________


segunda-feira, 28 de maio de 2018

É BREGA SER BIBLIOTECÁRI@?

Por Fabíola Bezerra

Talvez a pergunta seja exagerada ou melhor seria perguntar assim: é brega gostar de ser bibliotecário? É cafona mostrar para as pessoas que somos conscientes da nossa importância profissional? É brega ou cafona estampar a nossa profissão no peito para que todos possam vê-la?

A motivação para escrever sobre esse tema, foi gerada a partir de uns comentários que acompanhei dentro do Facebook.

Antes, fui verificar no dicionário a definição para “brega”, encontrei: “Característica da pessoa que não possui cortesia; cujos modos são indelicados; cafona: naquela festa só havia gente brega! [...] Particularidade daquilo que é grosseiro, reles, comum”.

O contexto no qual foi desenvolvido um pequeno debate entre colegas bibliotecários ou quase bibliotecários (não consegui identificar) se já são formados ou em fase de conclusão, foi gerado a partir de um troca de opiniões sobre uma foto que compartilhamos com o novo modelo da nossa loja da T-shirts MURAL.


Obviamente as pessoas tem gostos e preferências próprias e não temos a ilusão de agradar a todos. O X da questão não é exatamente os comentários em si, pois repare o seguinte: no Instagram a mesma foto, obteve até agora 670 curtidas, no Facebook da loja teve 44 curtidas e 34 compartilhamentos, e no Facebook do Mural 280 curtidas e 20 compartilhamentos. Dentre os muitos comentários positivos e as centenas de curtidas, um pequeno grupo composto por 2 ou 3 pessoas, não é um número representativo.

O que nos chamou a atenção no ocorrido e nos levou a uma reflexão foi o seguinte: a marca do Mural Interativo do Bibliotecário sempre esteve associada e embasada na paixão que temos pela Biblioteconomia, pois foi assim que fomos criando nossa identidade. Acreditamos firmemente que é importante amar a Biblioteconomia, pois somente uma relação de amor é capaz de mudar positivamente o status quo do bibliotecário frente à sociedade.

O amor não é brega, muito menos um sentimento cafona, ou fora de moda. Em um mundo com tantas possibilidades profissionais e com tantas facilidades de ingresso no mundo acadêmico, ao meu ver, CAFONA e BREGA é continuar na Biblioteconomia não gostando da área, nem valorizando a profissão.
_____________

segunda-feira, 21 de maio de 2018

EM LUGAR ERMO, ANDANDO A ESMO. QUE DÓ!

Por Ana Luiza Chaves

Continuando com o pensamento em planejamento, me ocorreu de fazer esse trocadilho: Em lugar ermo, andando a esmo. 

São palavras parecidas na grafia e na pronúncia que causam confusão com seus significados, até porque ambos denotam de alguma forma algo vazio, sem determinação. Em semântica, talvez um caso de paronímia.

Andando em contexto deserto, no meio do nada, que leva a lugar nenhum. Em lugar desabitado, andando sem direção, com certeza não seria o meio mais concreto e plausível para atingir uma meta. Fazendo a leitura, seria sim, o cúmulo da desorientação e da falta de planejamento. 

Afinal, como chegar a um ponto desejado, se antes não planejado? Mas têm muitos por aí que estão em lugar ermo, andando a esmo. Que dó! 

E você, já parou para pensar nisso? Será que caiu nessa esparrela?
______
#otextoénosso #planejamento

segunda-feira, 14 de maio de 2018

“O SEGURO MORREU DE VELHO”

Por Ana Luíza Chaves

O dito popular, “O seguro morreu de velho” significa que pessoas precavidas morrem de velhice e não de acidentes ou de outras causas que antecipem sua morte. Ou ainda, quando uma pessoa está segura sobre uma situação e fica despreocupada, correndo o risco de ser enganada, de errar, de esquecer ou perder algo. Esses podem ser os principais argumentos de venda dos corretores de seguros.

Hoje (14/05) é o Dia Continental do Seguro. A data é comemorada nos continentes americanos e na Espanha, para ressaltar a importância econômica e social deste serviço, conscientizando a população sobre o benefício do seguro, fundamental para garantir a proteção das pessoas, das famílias e dos bens patrimoniais.

E você, já proferiu esse ditado em alguma ocasião em seu trabalho, se referindo às atividades que devem ser executadas, para melhor fluir e garantir a eficácia?

E na biblioteca, seria cabível termos alguma preocupação nesse sentido? Podemos listar algumas situações, que acreditamos serem comuns no dia a dia do bibliotecário:
  • verificar a consistência e firmeza das estantes;
  • verificar a validade dos extintores de incêndio;
  • não deixar que entrem no recinto portanto alimento;
  • não esquecer equipamentos ligados ao final do expediente;
  • ter cuidado para não manusear copo com água junto aos .equipamentos e livros;
  • fazer backup dos arquivos;
  • registrar de imediato os livros novos, recém-chegados da livraria;
  • certificar-se, antecipadamente, sobre o acervo nas visitas do MEC;
  • ter a certeza que as palavras-chaves te darão o retorno necessário;
  • emprestar livros somente mediante assinatura.
Vamos ficar de olho! “O seguro morreu de velho”!



__________
#OTextoéNosso #DiaContinentaldoSeguro
#SegurançaNoTrabalho#PrevençãoDeAcidentesDeTrabalho

segunda-feira, 7 de maio de 2018

DIA DO SILÊNCIO. PSIU!

Por Ana Luiza Chaves

Silêncio: ausência total ou relativa de sons audíveis. Para quem teve a graça de nascer com o sentido da audição, será possível ter o silêncio total? Impossível, sempre haverá um ruído, um chiado, um rangido, qualquer que seja o som, sons externos de toda sorte, sons internos, aqueles da nossa respiração ou das batidas do nosso coração.

Hoje é o Dia do Silêncio. Ele que já foi tão exigido nas bibliotecas, chegando a ser o elemento principal do estereótipo bibliotecário, com ilustrações tão características, que marcaram por décadas e décadas a nossa figura, foi se perdendo pelos anos. Talvez pela evolução e dinâmica da biblioteca, pela explosão de informações, pela nova forma de comunicação entre as pessoas, pelo novo fazer bibliotecário. 

Se por um lado precisamos ouvir mais, para compreender e atender melhor, por outro lado, o usuário precisa falar mais, para manifestar suas ideias, para apurar o senso crítico, para ser melhor compreendido.

E para onde foi o silêncio, o psiu?

Hoje, nas bibliotecas, já se convive com a sua ausência, é óbvio que dentro dos limites permissíveis e de acordo com os ambientes x atividades, considerando-se o bom senso estabelecido. Uma discussão entre grupos de estudo é mais do que sadia, um comentário entre uma leitura e outra, uma indagação para solucionar uma dúvida, uma troca de ideias. Tudo é permissível.

Mas ele ainda é elemento necessário para a concentração, para o estudo, para a leitura. Há aqueles que só conseguem executar essas atividades no silêncio. E há também momentos em que precisamos estar com o nosso silêncio, para ouvirmos os nossos pensamentos, para sentir a vida, para compreender situações e, quem sabe, ter novas ideias.

A nossa proposta de hoje é a seguinte: fazer barulho por um instante de silêncio, reivindique esse momento, um momento só seu, de paz interior, em homenagem ao Dia do Silêncio.


____
#otextoénosso #Diadosilêncio

domingo, 6 de maio de 2018

ISSO MUDA AS BIBLIOTECAS


A série do MURAL #IssoMudaAsBibliotecas com inspiração na campanha #issomudaomundo, foi veiculada entre o período de 22 de abril até 06 de maio de 2018.

A ideia foi pensar em algumas situações diferenciadas para as bibliotecas, que ajudariam a mudar seu status quo, fazendo a divulgação por intermédio de chamadas diárias, utilizando cartazes coloridos, em que cada um retrata uma situação privilegiada do dia a dia bibliotecário.

    
 


segunda-feira, 30 de abril de 2018

ABRIL, HISTÓRIAS E LEITURAS MIL!

Por Ana Luiza Chaves


O mês de abril vai acabando, e já se vão quatro meses de 2018... Mas, neste último dia, achamos por bem relembrar cada data que visita este mês, tão cheio de histórias e leituras.

Logo no início, nos deparamos com o 1º de Abril, Dia da mentira. Quem já não pregou uma boa mentira neste dia? O motivo remonta à França do século XVI, por conta da mudança para o calendário Gregoriano, que substituiu o calendário Juliano, alterando a data de comemoração do Ano Novo.

No dia 2 temos o Dia Mundial do Livro Infantil, em homenagem ao escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, autor de contos mundialmente conhecidos. Quem na infância não leu O Patinho Feio, A Pequena Sereia e A Roupa Nova do Rei?

O Dia da Biblioteca é dia 09, data de publicação do Decreto 84.631/1980, que instituiu a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca e o Dia do Bibliotecário.

O Dia do Hino Nacional Brasileiro é 13, porque nesse dia, em 1831, ele foi executado pela primeira vez. Desde esse dia, quantas e quantas vezes ele já foi executado?

No dia 18 é a vez do Dia Nacional do Livro Infantil, homenagem ao editor e autor brasileiro Monteiro Lobato, pai da literatura infantil no Brasil, cujas obras infantis, encantaram crianças e adultos, dentre elas, O Saci, A Chave do Tamanho, Reinações de Narizinho, Histórias da Tia Anastácia, Memórias da Emília.

E quem não deixou de comemorar na escola o Dia do Índio, com direito a reviver lendas e costumes tão presentes em todos nós até os dias de hoje? Nos países americanos, a data é 19 de abril, escolhida em 1940, no Primeiro Congresso Indigenista Interamericano. Nesse mesmo dia comemora-se, também, o Dia do Exército Brasileiro, motivado pela primeira luta dos povos do Brasil contra a dominação holandesa. 

21 de Abril é Dia de Tiradentes, principal articulador da Inconfidência Mineira, data que é feriado nacional.

Em seguida, dia 22, é a data em que a Coroa Portuguesa anunciou o descobrimento das terras brasileiras, é o Dia do Descobrimento do Brasil! Apesar de cada dia descobrimos um pouquinho mais dele.

No dia 23, temos duas comemorações, o Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor, em alusão ao falecimento dos escritores Miguel de Cervantes e William Shakespeare, criado pela Conferência Geral da UNESCO em 1995, para promover o prazer da leitura, a publicação de livros e a proteção dos direitos autorais.


Com tantas datas reunidas, Abril é de fato o mês das histórias e leituras mil!

Escolas e Bibliotecas podem deitar e rolar em comemorações nesse mês, mas, como já está acabando, fica a dica para o próximo ano.
______ 

#otextoénosso #comemoraçõesemabril

terça-feira, 24 de abril de 2018

MUDANÇA PARA MELHOR, JÁ QUERO!

Por Ana Luiza Chaves

Mudança, quem não tem medo dela? Sempre temos resistência à mudança. Receio de não dar certo, de ser um fracasso, de criar expectativa demais, de ser criticado, dentre outros temores. Mas, a mudança quando pensada, está sempre buscando o melhor, e só vamos saber o resultado se ela for implementada.

É óbvio que antes deve ser feito um planejamento das ações, verificando os recursos e os instrumentos necessários, quais as pessoas estarão envolvidas durante o processo e, sobretudo, deve-se ter o apoio da instituição. Uma vez planejada, aplicada, checada e reparadas as arestas, tem tudo para dar certo. 

Muitas vezes fazemos a coisa do mesmo jeito que vem sendo feito há tempos, não pensamos em mudar o status quo, exatamente porque temos medo do novo, do desconhecido. Isso ocorre na vida como um todo, na esfera pessoal, profissional, em sociedade.

Fizemos essa introdução porque a nossa proposta é convidá-los a fazer algo para mudar o nosso fazer bibliotecário, buscando essa melhoria de produto e serviço para a sociedade, conforme o contexto de cada um. Há tantas oportunidades! O próprio usuário é um indicador delas. Sabendo fazer a leitura de suas demandas, de seus anseios, podemos ir além delas, conquistando esse espaço que nos falta, se apropriando do projeto e fazendo acontecer.

Estamos tentando mudar todo dia para oferecer algo mais atrativo e compensador. Vem coisa diferente pela frente!

E você, já pensou por onde começar?

Mudança para melhor, já quero!

______ 

#otextoénosso #mudança #fazerbibliotecário

sexta-feira, 13 de abril de 2018

"MURAL EM IMAGENS": E-BOOK COMEMORATIVO AO 5º ANIVERSÁRIO DO MURAL INTERATIVO DO BIBLIOTECÁRIO


O Mural Interativo do Bibliotecário fez 5 anos e ao completar o 5º aniversário, diante da vasta produção construída, percebemos a importância de compilar toda a produção imagética, reunindo em um novo e-book, para possibilitar o acesso de forma organizada, contextualizada, com vistas a leitura descompromissada ou à aplicabilidade de alguma ação de prática bibliotecária.



BAIXE O SEU!!


quinta-feira, 12 de abril de 2018

E O MURAL COMPLETOU 5 ANOS...

Em abril celebramos o 5ª aniversário do Mural Interativo do Bibliotecário. Para comemorar a data, elaboramos uma campanha sobre a vida do Mural nesses cinco anos e convidamos os nossos seguidores a participarem, respondendo à perguntas, por intermédio de pistas a respeito. 

Além da interação e da brincadeira, os participantes concorreram a um Kit com 5 itens da nossa loja virtual da T-Shirts MURAL, os quais representam os cinco anos de atividade.

Conheçam as perguntas e as ilustrações que representaram as pistas de cada uma, postadas no período de 23/03 a 11/04.


PERGUNTA 1 - Quando (dia/mês/ano) nasceu o MURAL?

PERGUNTA 2 - Em que cidade do Brasil nasceu o MURAL? 

PERGUNTA 3 - Quem foram os administradores do MURAL?

PERGUNTA 4 - Quem são atualmente os administradores do Mural? 

PERGUNTA 5 - Em quais mídias estamos presentes? 

PERGUNTA 6 - Das campanhas realizadas pelo MURAL, qual ou quais mais gostou de participar? 

PERGUNTA 7 - Qual é o infoproduto criado pelo MURAL?

PERGUNTA 8 - Qual (is) projetos realizados pelo MURAL você mais gostou?

PERGUNTA 9 - Cite o nome de uma série criada pelo MURAL?

PERGUNTA 10 - Desde quando você acompanha o MURAL?

PERGUNTA 11 - Você indicaria a página do MURAL para algum amigo(a)?